Visualities and visibilities of black women

a study about scenography of the Recife’s carnival in 2006

Authors

  • Natasha Bezerra
  • Haidée Cristina Câmara Lima

DOI:

https://doi.org/10.29147/datjournal.v7i2.618

Keywords:

Recife’s Carnival, Black Women, Visibilities, Visualities

Abstract

This article presents a study of the visualities and visibilities of black women in the scenography of the Recife’s Carnival in the year 2006. Based on a literature review, it seeks to study the structural relationships of these regimes and examine aesthetics and representation as instruments of power using semiotic analysis as a tool to discuss the meanings of the images studied, in addition to verifying whether these modes of representation produce identification in these women.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Natasha Bezerra

Doutoranda em Antropologia na UFPE, Mestra em Design pela Cesar School, especialista em Gestão em Marketing pelo Senac/SP, Graduada em Design Gráfico pelo IFPE e em Publicidade e Propaganda pela Uninassau. Atualmente é designer gráfica do Instituto Federal de Pernambuco, tendo experiência na produção de impressos e materiais digitais. Interessa- se pelos atravessamentos sociais enfrentados pelas mulheres negras e por como o Design, especialmente através das representações imagéticas pode contribuir para construção do imaginário social positivo no que se refere às minorias e, consequentemente, com uma sociedade mais justa.

Haidée Cristina Câmara Lima

Graduação em Artes Plásticas pela Universidade de São Paulo e Mestrado em Design pela CESAR School. Atualmente é designer sênior do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife e professora do Mestrado Profissional em Design da CESAR School. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Gravura, e Design, com ênfase em interface e experiência do usuário.

References

ALMEIDA, S. L. de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ALMEIDA, S. S. T. de. BICHOS BOÊMIOS: um estudo sobre recorrências, referências e análise de significado dos animais nos rótulos de aguardente da Coleção Almirante. 2018, 399f. Tese (Doutorado em Design). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2018. Disponível em: <https://bit.ly/3c8kQIR>. Acesso em: 18 jan. 2021.

ANDRADE, R. M. de. A política multicultural no carnaval do Recife: democratização, diversidade e descentralização. 2016. 107f. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2016. Disponível em: < https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/20049>. Acesso em: 02 jun. 2020

ARAÚJO, R. de C. B. de. Carnaval do Recife: a alegria guerreira. Estudos Avançados, [S. l.], v. 11, n. 29, p. 203-216, 1997. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/8980>. Acesso em: 1 out. 2020.

AUMONT, J; MARIE, M. (2003). Dicionário teórico e crítico de cinema. Campinas, SP: Pa¬pirus

CARDOSO, C. E.; PACHECO, J. Método de análise semiótica na perspectiva do design. Design e Tecnologia, v. 7, n. 14, p. 91-107, 30 dez. 2017. Disponível em: <https://www.ufrgs.br/det/index.php/det/article/view/374>. Acesso em: 26 jun. 2020.

ESTARQUE, M.; CAMAZANO, P. Negras ganham menos e sofrem mais com o desemprego do que as brancas. Folha de S. Paulo, São Paulo, 8 out. 2019a. Disponível em: <https://bit.ly/3ktugDp>. Acesso em: 15 abr. 2020.

________. Negras movimentam R$ 704 bi por ano, mas são escanteadas pela publicidade. Folha de S. Paulo, São Paulo, 6 out. 2019b. Disponível em: <https://bit.ly/3omCo9U>. Acesso em: 15 abr. 2020.

GERMANO, I. O carnaval no Brasil: da origem européia à festa nacional. Caravelle. Cadernos do mundo hispânico e luso-brasileiro, ano 1999, n. 73 pp. 131-145. Disponível em: <https://bit.ly/3onLN1f>. Acesso em: 1 out. 2020.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. 1ed. Rio de Janeiro, LTC, 2008. GERMANO, I. O carnaval no Brasil: da origem européia à festa nacional. Caravelle. Cadernos do mundo hispânico e luso-brasileiro, ano 1999, n. 73 pp. 131-145. Disponível em: <https://bit.ly/3onLN1f>. Acesso em: 1 out. 2020.

GOÉS, F. Brasil: o país de muitos carnavais. Revista Observatório Itaú Cultural: OIC, n. 14, mai. 2013, p. 61-70. São Paulo: Itaú Cultural, 2013. Disponível em: <https://bit.ly/3n3EgF5>. Acesso em: 1 out. 2020.

GONZALEZ, L. A categoria político-cultural de amefricanidade. In: Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, Nº. 92/93 (jan./jun.). 1988, p. 69-82. Disponível em: <https://bit.ly/31HNRJy>. Acesso em: 02 maio 2020.

__________. Cultura, etnicidade e trabalho: efeitos linguísticos e políticos da exploração da mulher. 1979. In: UCPA (org.). Primavera para as rosas negras. Lélia Gonzalez em primeira pessoa…. São Paulo: UCPA - União dos Coletivos Pan-Africanistas, Diáspora Africana. 2018b, p. 54-76.

__________. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244. Disponível em: <https://bit.ly/3qpCmAU>. Acesso em: 02 maio 2020.

GUILLEN, I. C. M. Patrimônio, Carnaval e espetáculo: os maracatus-nação no Bairro do Recife. Projeto História - Revista do Programa de Pós-graduação de História da PUC-SP. São Paulo: v. 62, p. 9-49, 2018c. Disponível em: <https://bit.ly/3krChsI> Acesso em: 15 ago. 2021.

HALL, S. Cultura e representação. Rio de Janeiro, Ed. PUC-Rio, Apicuri, 2016.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Estudos e Pesquisas: informação demográfica e socioeconômica, v. 41, p.1-12. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, 2019. Disponível em: <https://bit.ly/3n31fQQ>. Acesso em: 17 set. 2020.

______. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - PNAD Contínua. Carac¬terísticas gerais dos domicílios e dos moradores 2019. IBGE, 2020. Disponível em: <https://bit.ly/3n31nzO>. Acesso em: 17 set. 2020.

JOLY, M. Introdução à análise da imagem. Campinas: Papirus Editora, 1996.

LIRA, J. Outros Carnavais: nos bastidores da folia ou como trabalho de cenografia surgiu, cresceu e apareceu na maior festa de rua do Recife. São Paulo: DBA Artes Gráficas, 2008.

LUBAMBO, C. W. O bairro do Recife: entre o Corpo Santo e o Marco Zero. Recife, CEPE/ Fundação de Cultura da Cidade do Recife. 1991.

MATA NETO, D. T. da. O Bairro do Recife veste sua fantasia: o início da cenografia do Carnaval Multicultural do Recife. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Urbano). Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. Recife, 2020. Disponível em:<https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/40180>. Acesso em: 10 jun. 2021.

MOREIRA, A. Racismo recreativo. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

PIGNATARI, D. Signagem da Televisão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

RIBEIRO, D. Lugar de fala. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ROCHA, R. de M. Cultura da visualidade e estratégias de (in)visibilidade. In: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação. 2006. Disponível em: <https://bit.ly/3wyDmnm>. Acesso em: 10 nov. 2020.

Published

2022-06-14

How to Cite

Bezerra, N., & Lima, H. C. C. (2022). Visualities and visibilities of black women: a study about scenography of the Recife’s carnival in 2006. DAT Journal, 7(2), 290–304. https://doi.org/10.29147/datjournal.v7i2.618